KIT TECNICO FABRICAR PULPAS

KIT TECNICO FABRICAR PULPAS
NUEVO LANZAMIENTO UNICO Y EXCLUSIVO

martes, 13 de agosto de 2013

Microindustrias para Sustituir Importaciones

Micro industrias reemplazan importacion y agregan valor. 
Las Micro Industrias una opción para reemplazar importaciones utilizando la transformación de materias primas locales en los paises que lo implementan, es la propuesta presentada en congerencia de prensa en Cabo Verde - Africa por el Gerente Comercial del Salon Emprendedor, en reportaje del Expresso das Ilhas de la ciudad de Cabo Verde. Reproducida en este articulo.   
Cabo Verde pode evitar muitas importações, diz representante do Salon do Empreendedor
·         Escrito por  Elsa Vieira, Expresso das Ilhas 
·         Imprimir 
·         E-mail 
Conferencia de Prensa de Gustavo Resende Quezada Gte Comercial del Salon Emprendedor 
A empresa brasileira Salon do Empreendedor que vai estar presente na Iª Edição da Feira do Agronegócio, a decorrer na Cidade da Praia de 26 a 28 de Julho, pretende apresentar 50 opções de negócio nas micro e pequenas indústrias aos cabo-verdianos como meio de criar o próprio negócio.
“Cabo Verde é um país com uma forte aposta na agricultura, com muitos produtos, mas mesmo assim com muita importação. Não é preciso ser um especialista na área para perceber que há falta de industrialização no país. Basta uma pequena ronda para verificar que há excelente matéria-prima, mas onde está o produto final?”, questionou o gerente comercial da empresa, Gustavo Resende Quezada, que falava à imprensa esta quinta-feira, na cidade da Praia.
Após 12 anos a fomentar o empreendedorismo na América Latina, abriu-se a ala os investimentos na África, onde são inúmeros os casos de sucesso, entre eles, Angola e São Tomé e Príncipe. Como já vem sendo referenciado a atenção centra-se nos possíveis investimentos que se possam fazer nos países africanos. Cabo Verde não tem ficado de fora desta linha de investimentos e agora é considerado pelos representantes da empresa brasileira Salon do Empreendedor, como uma oportunidade de negócios, potencializando a indústria transformadora através dos produtos agrícolas.
De acordo com Gustavo Resende Quezada, Cabo Verde é um país rico em matérias-primas, mas que são pouco aproveitadas como meio de rendimento e de evitar muitas importações “desnecessárias”. “O mercado de Cabo verde chamou-nos a atenção, tem excelentes matérias-primas, mas muito pouco industrialização”, referiu.

Resende explicou que numa rápida passagem pelos minimercados ou restaurantes é preciso verificar a carência de industrialização dos produtos agrícolas. Daí que pretende nesta primeira edição da Feira do Agronegócio, ajudar os cabo-verdianos a criar o próprio negocio, com os equipamentos e assessorias disponibilizados por esta empresa na confecção dos produtos existentes no país.
O gerente comercial da empresa realçou que as propostas trazidas a Cabo Verde são adaptáveis e aplicáveis ao mercado nacional, na transformação de frutas, verduras, hortaliças, entre outros. “Trata-se de uma excelente oportunidade, porque as pessoas que quiserem empreender neste ramo vão receber uma chave em mãos. Ou seja, o empreendedor vai ser acompanhado desde a concepção até inauguração da fábrica. Não vendemos apenas o equipamento para se desenvolver uma determinada tarefa, o conceito é unificar e entregar um negócio já pronto ”, explicou.
Durante a Feira de Agronegócios vão estar expostas mais de 50 fábricas diferentes, assimilar as características do país, e quem optar por este investimento que ronda cerca de 10 mil contos. “É essa visão que queremos oferecer ao empreendedor cabo-verdiano que queira ingressar neste mercado e o pagamento pelo equipamento é feiro de forma parcelar”, disse.
O investidor vai receber uma assessoria tanto presencial como a distância de como formatar o negócio. “O local de implementação, as matérias-primas, as embalagens, o aluguer do espaço, os trabalhadores, tudo isso, vai ser levada em conta. Ou seja, lhe é passada a tarefa do que ele precisa fazer”.
“Importar um suco de fruta de outro país, não faz qualquer sentido”. Dentro deste contexto, está é uma solução simples, que é barata, económica e que pode evitar importação de alguns produtos derivados de frutas e hortaliças.

quinta, 25 julho 2013 15:31

Publicado em Economia

No hay comentarios: